sábado, 18 de setembro de 2010

O poder da Cura da Camomila



por Rosangela Vecchi Bittar
Especialista em Terapia Floral pela UFPE
Reiki Master - Aromaterapeuta

A Camomila é uma erva aromática muito popular no Brasil e no Mundo. Existem várias espécies como a Anthemis nobilis (inglesa também conhecida com romana), a Matricaria chamomilla (alemã). É uma planta perene da família botânica das compostas. A inglesa renasce sozinha após o inverno porque suas raízes nunca morrem e sobrevivem a esta estação, embora perca as folhas, é uma planta rasteira e delicada com florzinhas que lembram minúsculas margaridas. Já a alemã não é rasteira e forma um arbustinho cheio de flores que dura apenas uma estação, precisa ser semeada por 2 ou 3 anos e após isto renasce com facilidade. O caule ereto é muito ramificado, suas folhas são recortadas, suas flores brancas raiadas com cetro amarelo. Também chamada de Oeil-du-Soleil (olho do sol) na França. A palavra camomila deriva do grego chamaimelon que significa “macieira rasteira” por causa do odor penetrante.

Os Egípcios curavam malária com o chá de suas flores, era considerado sagrado e era oferecido ao Deus Sol, Rá. Era uma das 9 ervas sagradas dos Saxões. Posteriormente, foi consagrada a Santa Ana, a mãe da Virgem Maria. É conhecida como a "médica das plantas" porque tem o poder de curar as plantas vizinhas.

Dioscorides dizia que era imbatível para dor de cabeça a cosmética é utilizada há mais de quatro mil anos, até hoje é utilizada como segredo para mulheres loiras um rinse com camomila conserva o louro e a beleza dos cabelos. Pode ser usada em compressas em olhos inchados, suaviza olheiras e acalma a pele.

No Brasil foi trazida há mais de cem anos por imigrantes europeus. Como planta medicinal seu uso em chá auxilia e trata de problema de digestão e vermes, seu uso contínuo pode diminuir dores musculares. Muito boa nos casos de tensão pré-menstrual, insônia, problemas nervosos, adoçado com mel combate gripes e resfriados.

É calmante e restaurador de forças. No entanto, conforme recomenda a Tabela de Drogas Vegetais da Anvisa utilizar 3 gr. (1 colher de sopa) para 150 ml. de água com a indicação de tomar 3 a 4 xícaras ao dia nos casos de cólicas intestinais e quadros leves de ansiedade. No uso em chá devemos tomar cuidado com super dosagem que pode provocar alergia.

Suas flores bonitas e cheirosas são utilizadas no recheio de travesseiros contra insônia. Existe uma espécie que produz uma tintura usada para tingir algodão com a cor laranja ou verde escuro quase marrom.

Dizem possuir poderes mágicos para atrair dinheiro, quando plantada em torno da casa afasta inveja, “olho gordo”.

O óleo da camomila na pele alivia queimaduras, bolhas, inflamação, psoríase, alergias, melhora sua elasticidade. O óleo é feito das suas flores, é bom para os diversos problemas do feminino: menstruação escassa, dolorida, hemorragia uterina, prurido vulvar, menopausa seu nome em alemão quando traduzido significa “erva mãe”.

No corpo físico, como já mencionamos alivia dores musculares associadas a desequilíbrio do sistema nervoso; indicada para problemas reumáticos (articulação inflamada), entorses, dores de cabeça e nascimento de dentes (primeira dentição) problemas do feminino como a menopausa e tpm; problemas intestinais como síndrome do colo irritável, diarréia, cólicas, gases e icterícia.
Segundo, Culpeper conforta a cabeça e o cérebro, tradicionalmente utiliza-se para problemas nervosos, histeria, é sedativa e antidepressiva, antialérgica, antiinflamatória, cicatrizante.

Dr. Valnet relata que o óleo da camomila é estimulante da leucocitose e bom para o inchaço do baço; e nos casos de pedras nos rins.

Em óleo tem as mesmas funções enquanto chá da erva, já mencionadas acima.
É um óleo de baixa toxicidade muito utilizado em crianças (em bebês usar diluído).

Pena ser um óleo caro! Evitar durante os primeiros 4 meses da gravidez. Em grandes doses, pode tornar-se hipnótica ou soporífera, mas nunca depressiva.

No emocional e mental evita pesadelos durante o sono, relaxa, harmoniza, antidepressiva, combate à raiva e medo, stress. Facilita a comunicação com nossa criança interior levando cura, perdão e conforto, combate a ansiedade. Fortalece os laços de amor entre pais e filhos, indicada para inquietação, irritação, impaciência, estados de raiva, cólera, humor variável. Excelente nos casos de problemas emocionais que se manifestam somatizando fisicamente em problemas de pele.
O óleo essencial da camomila azul é feito com a camomila alemã matricaria camomila, muito utilizado na cosmetologia e tem mais poder antiinflamatório do que a romana, pois possui grande concentração de azuleno.

No aspecto espiritual auxilia nas meditações, promove paz.

Como Essência Floral: temos a Matricaria no Sistema dos Florais de Minas para aquela personalidade entusiasmada que se entrega a ajudar o próximo envolvendo o coração em tudo que faz muito embora fique nervosa e apreensiva e se e ressente, pois, não recebe contra partida. Geralmente, se sobrecarrega de trabalho, irritam-se com demonstrações de egoísmo. Alia a condição materna de superproteção e nervosismo. O nervosismo e apreensão se deve a perspectiva de perfeição. Esta essência desperta o conceito mais luminoso de entrega e amor ao próximo, amplia a capacidade de nutrição cósmica, e é coadjuvante no tratamento de problemas psicossomáticos que envolvam parto, dentição, nutrição, proteção que necessitem ser equilibradas ou potencializadas.

Esta essência também existe no sistema da Califórnia – FES com o nome de Chamomile (espécie utilizada Matricaria variedade recutita) e no Francês Camomile com a seguinte vertente: confere calma emocional, relaxamento daquelas tensões emocionais sentidas principalmente localizadas no estômago. Indicada para pessoas que se encolerizam com facilidade, tem dificuldade em descansar (insônia), favorece a digestão, eliminação de gases, nos casos de “dor de barriga” (diarréia) e rompantes emocionais; indicada principalmente para crianças hiperativas. É um equilibrador emocional. Integra e alinha o corpo mental.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

A Energia de Cura da Arnica



por Rosangela Vecchi Bittar
Especialista em Terapia Floral pela Universidade Federal de Pernambuco
Mestre em Reiki - Aromaterapeuta


A Planta Arnica tem várias subespécies, mas a mais conhecida é a Arnica montana planta perene da família das compostas, originária das regiões montanhosas da Europa. Suas flores são de cor amarela.

A arnica é conhecida desde o século XII, Idade Média, e é utilizada desde o século XV pela medicina popular. Usualmente é utilizada em contusões, entorses Na homeopatia seu uso é direcionado nos casos de traumatismos e choques. Como fitoterápico deve ser usado com segurança apenas externamente devido a sua toxidade.

Na cosmética, a arnica é empregada para combater a oleosidade e queda excessiva dos cabelos, rachaduras e hematomas na pele e tratar irritações da pele dos bebês (na forma de talco ou creme). Para aplicações externas, você pode preparar a tintura ou usar o óleo medicinal.

No seu uso fitoterápico a Arnica montana é indicada para: dermatites, contusões, distensão muscular, dores (musculares, articulares, reumáticas, de entorse), espasmo, ferimento, febre, furunculose, gota, edema, hematoma, inflamação, inchaço, nevralgia, hemorragia, machucaduras, músculos doloridos, nevralgias, problemas ligados ao joelho, reumatismo, sistema circulatório (estimulante), traumatismo.

É contra-indicada para gestantes, lactentes e indivíduos sensíveis à planta.
A Arnica deve compor a "farmácia caseira" como tintura (para fazer compressas locais) ou pomada para socorrer depois de uma pancada ou contusão, tratar machucados, especialmente àqueles com marcas roxas. A responsável por essa eficiência é a presença de uma substância chamada quercitina, capaz de aumentar a resistência dos vasos e a irrigação sangüínea nos locais machucados, diminuindo o coágulo e eliminando a mancha roxa. Outra substância em sua composição e a inolina que funciona como, um analgésico, aliviando a dor da pancada.

Como fazer uma tintura: 200 g. de erva seca ou fresca num vidro esterilizado adicionem 1(um) litro de álcool de cereais, feche, rotule com o nome da erva e data, agite bem e mantenha em local escuro por 14 dias. Depois, coar e utilizar.

Como floral temos: No Sistema Francês Deva,a Arnica (Arnica montana) que trabalha a regeneração e conforto. Da mesma forma que o uso fitoterápico ela age nos casos de choques e traumas reequilibrando a energia vital. Nos casos de traumatismo onde se desalinha ou dissocia os corpos energéticos, ela atua regenerando, reparando tanto o físico como o mental, emocional e espiritual. Usada nos casos de trauma por abuso de drogas, especialmente no que se refere ao sistema nervoso, em situações de emergência, recompões e vitaliza.

A essência floral Arnica do Sistema da Califórnia – FES é elaborado com a subespécie Arnica mollis sua cor também é amarela e seu uso é similar. No entanto, em sua literatura conta-se que seu uso pode liberar doenças psicossomáticas de difícil diagnóstico e que não estão respondendo ao tratamento.

Nos Sistemas Brasileiros também temos a Essência Floral Arnica Campestre no Sistema de Minas cuja subespécie empregada é a Arnica-do-cerrado cuja indicação também é similar, indicada para rupturas e rompimentos na energia vital em razão de choques, traumas, ferimentos, cortes, contusões, cirurgias, acidentes, hemorragias, intoxicações. Mantém a integridade dos corpos físico e energético. É cicatrizante, catalisadora de outras essências quando é necessária a cura do corpo físico, boa para dores musculares, dores internas, articulações, reumáticas e situações pré e pós-operatórias.

No Sistema Brasileiro denominado Saint Germain no Floral Arnica Silvestre é elaborado com a subespécie é Solidago microglossa. É uma essência floral indicada para as situações em que há o comprometimento dos corpos físico e suprafísicos, nos traumatismos, nas fortes contusões, nas torções e ferimentos. Indicada para o pré e pós-operatório. A essência floral Arnica Silvestre trabalha os ferimentos morais. É indicada para os que sofreram abusos e abusam da alimentação, das bebidas e das drogas. Indicada também nos casos de rompimento de aura devido à mediunidade forçada. Arnica Silvestre traz para a consciência o mais profundo do auto-conhecimento para se curar e perceber o desequilíbrio e transmutar. Esta essência compõe o Emergencial do Sistema Floral de Saint Germain junto mais 11 outras essências.

Esta essência floral pode ser acrescentada a cremes para cicatrização mais rápida em cirurgia, contusão, problema de pele, diluição de mancha roxa, nestes 20 anos de minha prática tenho obtido ótimos resultados com esta essência floral adicionando ao creme, óleo de massagem, tomando da forma tradicional em gotas sublinguais ou adicionando a spray ambiental ou corporal, observei que esta essência floral sela a aura porosa, acelera processos de cura e constitui um campo de proteção para aquele que a usa.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Pedra Ametista




Por Rosangela Vecchi Bittar CRT 42435

A Ametista é um quartzo violeta muito conhecido popularmente. É uma pedra espiritual. Calma medos,aumenta a esperança, afasta a culpa e a ilusão. Auxilia a abandonar vícios, refreia abusos e concede bom senso, acalma as tempestades emocionais. Protege de assaltos, acidentes etc.

É usada como amuleto há séculos. Os greco-romanos a usavam em anéis de bronze contra o mal e taças esculpidas de ametista eram usadas para expulsar a tristeza e o diabo de todos que nela bebiam.

Também é utilizada para desenvolver a percepção extra-sensorial e aperfeiçoar a intuição. Aguça a mente consciente, torna o raciocínio rápido, melhora a memória, alivia dores de cabeça e manter o mental alinhado com as metas de vida. Amuleto para viajantes, processos judiciais, atrai boas energias.

Energia: receptora
Elemento: água
Indicação: dores físicas, emocionais e psicológicas; sonhos, ansiedade, sistema endócrino, metabolismo, sanguíneo, trato digestivo, pulmões, processo de cura, sensitividade, contra vícios (alcoolismo), paz, amor, proteção, coragem, stress, depressão, transmutação de energias negativas.
Chacra: frontal e coronário.
Coloração do violeta claro ao escuro translúcido e transparente.

Materiais de origem: sílica, dióxido de ferro, manganês, titânio, cálcio, magnésio e traços de cromo.






Bibliografia:

- Cunningham, Enciclopédia de Cristais, Pedras Preciosas e Metais, Editora Gaia, 1998.

- Hall, The Encyclopedia of Crystals, Fair Winds, 2006.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

O que é Homeopatia



Por Rosangela Vecchi Bittar
Terapeuta Complementar - CRT 42435

A Homeopatia sistema médico complexo de caráter holístico, baseada no princípio vitalista e no uso da lei dos semelhantes enunciada por Hipócrates no século IV a.C. Foi desenvolvida por Samuel Hahnemann no século XVIII, após estudos e reflexões baseados na observação clínica e em experimentos realizados na época, Hahnemann sistematizou os princípios filosóficos e doutrinários da homeopatia em suas obras Organon da Arte de Curar e Doenças Crônicas. A partir daí, essa racionalidade médica experimentou grande expansão por várias regiões do mundo, estando hoje firmemente implantada em diversos países da Europa, das Américas e da Ásia.

No Brasil, a Homeopatia foi introduzida por Benoit Mure em 1840, tornando-se uma nova opção de tratamento. A implementação da Homeopatia no SUS representa uma importante estratégia para a construção de um modelo de atenção centrado na saúde uma vez que:

•Recoloca o sujeito no centro do paradigma da atenção, compreendendo-o nas dimensões física, psicológica, social e cultural. Na homeopatia o adoecimento é a expressão da ruptura da harmonia dessas diferentes dimensões. Desta forma, essa concepção contribui para o fortalecimento da integralidade da atenção à saúde.
•Fortalece a relação terapeuta-paciente como um dos elementos fundamentais da terapêutica, promovendo a humanização na atenção, estimulando o autocuidado e a autonomia do indivíduo contribuindo para a melhoria da qualidade de vida dos usuários.
•Contribui para o uso racional de medicamentos, podendo reduzir a fármaco-dependência.

Saint-Martin 2010 refere que a homeopatia é uma ciência de domínio público direito adquirido por todos os profissionais que a vêm praticando no País há 170 anos, que não pode mais converter-se num monopólio de uma classe, principalmente se o for em detrimento do interesse de toda uma coletividade. A Constituição Federal, art. 5.º - XXXVI, diz – “A lei não prejudicará o direito adquirido”; no art. 296 - “A saúde é um direito de todos”; no art. 5.º - II, “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de Lei”; no inciso XLI do art. 5.º – “A lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”. Contra a pretensão de se cassar um direito adquirido cabe um ação judicial própria. Ao longo de quase um século e meio, raizeiros, benzedores, médiuns espíritas, farmacêuticos, terapeutas naturistas, padres e, mais recentemente, também engenheiros agrônomos, veterinários, odontólogos, zootecnistas, biólogos, psicólogos vêm praticando essa arte, e somente a partir de 1980 também por médicos. Assim, a homeopatia tem sobrevivido exatamente graças aos não-médicos.

Existem farmácias que vendem produtos homeopáticos desde o séc. XIX, atendendo diretamente à população, portanto, antes da Resol.1000/80 do CFM. Inexistindo Lei preceituando que apenas médicos podem praticar a homeopatia, inexiste proibição legal para o exercício da atividade do homeopata. Um verdadeiro terapeuta naturista tem conhecimentos sobre estímulos energético, mental, emocional e físico. Não invadem áreas de trabalho privativas do médico porque: 1.º - sabe que não é médico; 2.º - não faz cirurgias; 3.º - não prescreve medicamentos, mas indica remédios (cuja terminologia tem conceituações muito variadas); 4.º - aplicando a homeopatia ele está trabalhando com um produto dinamizado, do qual somente resta a energia da matéria-mãe, destituída de quaisquer elementos químicos; 5.º - não faz diagnósticos, até mesmo porque para ele não existem doenças, mas sim doentes (O Dr. Bach, dos florais que levam seu nome, diz que “as doenças provêm da alma”).

A homeopatia está presente em pelo menos 10 universidades públicas, em atividades de ensino, pesquisa ou assistência, e conta com cursos de formação de especialistas em Homeopatia em 12 unidades da federação.

A Medicina Vibracional inclui outras práticas quais sejam: Terapia com Essências Florais, a Cromoterapia, o Reiki e Acupuntura.

Rosangela V.Bittar
Título de Especialista em Terapia Floral pela Universidade Federal de Pernambuco, Mestre em Reiki, Aromaterapeuta.
Palestra e Cursos

Atendimento com Terapia Floral
Hospital das Clínicas da UFPE - Setor de Oncologia 3.andar agendamento na recepção
Consultório em Boa Viagem Recife PE
Atendimento a crianças, jovens e adultos
Rua Padre Bernardino Pessoa, 633
Contato: rosangela.bittar@globo.com
telefone: 0xx81-8843-0584

O Lian Gong



Por Rosangela V.Bittar
Terapeuta Complementar Especialista em Terapia Floral pela UFPE - CRT 42435

A ginástica Lian Gong em 18 terapias, foi desenvolvida na China, pelo Dr. Zhuang Yuen Ming, médico ortopedista da Tradicional Medicina Chinesa (TMC), na década de 60 Dr. Zhuang atendia, com mais 25 médicos, em um hospital de Shangai e notou que a partir da década de 60, aumentaram o número de casos de dores musculares e articulares de seus pacientes, em sua maioria trabalhadores de fábricas e escritórios da região. Tal fato se relacionava com a mudança da economia chinesa de rural para industrial e com os decorrentes desdobramentos para o corpo humano dos indivíduos envolvidos nesta transição.

Baseado no Tui Na, milenar arte fisioterápica chinesa, e na tradição dos trabalhos corporais chineses, o Dr. Zhuang sintetizou, em um primeiro momento, um conjunto de 18 exercícios que atuassem no corpo humano, da coluna cervical aos dedos dos pés. Ou seja, com a prática de 12 minutos diários de exercícios uma pessoa pode prevenir-se da maioria dos problemas decorrentes de má posturação ou de movimentos agressivos à lógica do corpo humano.

Posteriormente foram elaboradas mais duas seqüências de 18 movimentos cada, ampliando assim as possibilidades terapêuticas desta prática, com exercícios para as articulações e tendões e para o fortalecimento do coração e pulmão. Cada uma destas partes tem duração de 12 minutos também.

Todos os exercícios são feitos na postura em pé, acompanhados por uma música especialmente desenvolvida para a prática, sem necessidade de roupas especiais, e utilizando uma respiração natural. A característica básica dos exercícios é a fusão de movimentos de alongamento com tração, controlado pelo praticante, dentro de seus próprios limites. Assim, esta ginástica, agindo de forma suave sobre os sistemas circulatório e articular, mobiliza o tônus muscular, suaviza os enrijecimentos e estimula a “lubrificação” das articulações.

A prática constante destes exercícios tem se revelado como um excelente instrumento na correção postural dos praticantes, bem como na melhora geral do indivíduo, combatendo os sintomas do stress, as ansiedades e irritabilidades além das ações positivas localizadas, específicas de cada exercício.
Por outro lado, tem-se notado nas práticas aplicadas junto a empresas, que o Lian Gong, por não ter um caráter competitivo mas sim de aprimoramento individual, estimula sobremaneira a integração entre aqueles que o praticam.

Lian Gong em 18 Terapias não é uma panacéia para todos os males, mas com certeza é uma prática que reúne conceitos ocidentais e orientais com uma simplicidade, eficácia e alegria não encontradas em outras práticas.

http://www.liangong.com.br/ site da sociedade paulistana de lian gong

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Medicina Ayurvédica



Por Rosangela V.Bittar - CRT 42435
Terapeuta Especialista em Terapia Floral pela UFPE


Ayurveda é o nome dado ao conhecimento médico desenvolvido na Índia há cerca de 7 mil anos, o que faz dela um dos mais antigos sistemas medicinais da humanidade. Ayurveda significa, em sânscrito, Ciência (veda) da vida (ayur). Continua a ser a medicina oficial na Índia e tem-se difundido por todo o mundo como uma técnica eficaz de medicina tradicional. A doença, para a Ayurveda, é muito mais que a manifestação de sintomas desagradáveis ou perigosos à manutenção da vida. A Ayurveda, como ciência integral, considera que a doença inicia-se muito antes de chegar à fase em que ela finalmente pode ser percebida. Segundo essa tradição, os seres humanos são influenciados pelos 5 elementos através do dosha. Os doshas são Vata, regido por ar e éter, Pitta, regido por fogo e água, e Kapha, regido por terra e água. Todas as pessoas possuem os três doshas, mas em diferentes proporções. No momento da nossa concepção a nossa constituição é definida, isto é, os doshas que estão presentes em maior quantidade no nosso organismo. Ao nascermos, tal proporção está em equilíbrio (prakrti), mas com o tempo e a vida desregrada surge o desequilíbrio em um ou mais desses doshas (vikrti), contribuindo para o surgimento e desenvolvimento de doenças.Para o indivíduo ter o corpo saudável é necessário manter seus tecidos saudáveis e isso é possível por meio da alimentação, que deve ser feita de acordo com o estado atual do paciente, ou seja, de acordo com seu dosha predominante e com os desequilíbrios que ele possa apresentar. Os tecidos que formam o corpo humano são formados a partir dos 5 elementos, que consumimos em forma de alimento. Para o Ayurveda, a saúde de uma pessoa é medida pela força de seu agni (fogo digestivo). Um "bom agni" é capaz de extrair dos alimentos ingeridos os nutrientes necessários para formar tecidos fortes; por outro lado, quando o agni está diminuído ou é irregular (menor capacidade digestiva) a nutrição dos tecidos fica mais pobre, comprometendo a saúde e a integridade estrutural do organismo. Costuma-se ouvir muito que "você é o que você come", mas podemos concluir, com o exposto, que a medicina indiana vai além: "você é o que você consegue digerir".

Além de se utilizar de alimentação adequada, fitoterapia, yoga e outras técnicas, a massagem é uma das principais técnicas utilizada pelos médicos e terapeutas ayurvédicos.

Surgida na cultura dos Vedas (antiga etnia indiana), não é apenas uma das mais antigas e sim uma das mais completas técnicas naturais para restabelecer o equilíbrio físico e psíquico. Trata-se de uma massagem profundamente relaxante, atuando no campo físico e energético, tendo a função de purificação e manutenção da saúde corporal. Tem como objetivo restaurar o bem-estar físico, mental, energético e emocional.

MASSAGEM AYURVÉDICA

A massagem ayurvédica age nos sistemas: linfático (desintoxicando o organismo), circulatório (aumentando a produção de glóbulos brancos e a nutrição e oxigenação celular) e energético (reequilibrando o chakra e atuando nos sete corpos - desfazendo bloqueios emocionais). Dessa forma contribuindo na cura das principais doenças.

É importante ressaltar que, para uma massagem ser ayurvédica, deve levar em consideração os doshas do paciente, seus desequilíbrios e suas características. É uma prática individualizada, específica para cada tipo de pessoa. Não existe apenas uma técnica de massagem na Ayurveda, mas sim diversas delas, que são feitas com óleos carreadores e aromáticos.

Fortalece o sistema imunológico aumentando a quantidade de glóbulos brancos e desentoxica o organismo.É indicada como um dos tratamentos para quase todas as doenças, principalmente: dependência química, alergias, estresse, estafa, fadiga, depressão, fibromialgia, bloqueios emocionais, problemas musculares e de coluna, lembrando que na Ayurveda não se trata a enfermidade, mas sim o indivíduo. Benefícios proporcionados pelo tratamento com a massagem ayurvédica: Rejuvenescimento (melhora na pele), realinhamento das estruturas óssea e muscular, aumento da auto-consciência, fortalecimento do sistema imunológico, aceleração da circulação linfática e conseqüente desintoxicação do organismo; eliminação de bloqueios, prevenção de doenças, aumento de flexibilidade, reequilíbrio dos chakras, atuação nos sete corpos sutis, maior mobilidade das articulações e possibilita uma vida mais harmoniosa e feliz. Deve ser ministrada com cuidado em gestantes. É reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Meditação - Parte 3